maio 08, 2009

Notação, Romantismo, Música Moderna, Expressionismo

Primeiro de artes - Música.
Na parte de notação, vou usar material que achei num outro site, porque honestamente não vou ficar aqui desenhando pautas, claves e notinhas.

  • Notação Musical
Notação musical é o sistema que usamos para escrever músicas (partituras) de tal forma que, ao executá-la, o resultado seja sempre o mesmo. Como não havia cd's nem LimeWire's na Idade Média, o jeito era escrever as músicas para que pessoas em lugares e tempos distintos pudessem executar a mesma melodia. Inicialmente, a notação era muito rústica (as notas, q hoje são redondas, eram quadradinhos ou losangos - chamados de neumas). Exemplo:
Com os avanços da dinâmica, dos instrumentos, a criação das orquestras e a complexidade das músicas, foram necessárias mudanças na notação.

Sobre a notação musical atual, as notas, suas pausas (silêncio de duração determinada) e seus nomes são:

Som

Pausa

Nome / Unidade de tempo

Semibreve (1)

Mínima (2)

Semínima (4)

Colcheia (8)

Semicolcheia (16)

Fusa (32)

Semifusa (64)

Cada nota tem uma duração (metade da nota anterior), determinada pela armadura de compasso:


A unidade de tempo representa a figura que vale um tempo.

O andamento da música, ou seja, a velocidade de execução é determinada por uma unidade (batimentos por minuto - bpm) que é estipulada pelo autor da música. Dependendo do andamento, a música recebe nomes:
  1. Rápido: Allegro, Allegretto, Vivace, Vivo, Presto, Prestíssimo (em ordem crescente).
  2. Médio: Andante, Andantino, Moderato (em ordem crescente de velocidade).
  3. Lento: Grave, Largo, Larguetto, Lento, Adágio (ordem crescente).

  • Pauta ou Pentagrama

É o local onde são escritas as notas. São 5 linhas horizontais, paralelas, que formam 4 espaços. As linhas e espaços são contados de baixo para cima. Pode-se acrescentar linhas acima e abaixo da pauta, formando linhas e espaços suplementares superiores (acima da pauta) e inferiores (abaixo).

  • Clave

É um sinal colocado no início da pauta e serve para determinar o nome da nota e sua altura na escala. Por exemplo, a clave de sol é escrita na segunda linha. Então, sempre que no início da pauta estiver a clave de sol, a nota que vier escrita na segunda linha se chamará sol. Para conhecer as outras notas, basta seguir a escala ascendente (sol, lá, si, dó etc.) ou descendente (sol, fá, mi, ré etc.). As outras claves são as de fá (escrita na terceira e quarta linhas) e a de dó (na 1ª, 2ª, 3ª e 4ª linhas).



  • Romantismo
O período Romântico (século XVIII/XIX) é o século de maior expressividade dos sentimentos, de libertação da tutela dos nobres (que antes encomendavam as músicas e investiam nos compositores) e de avanços técnicos. A dinâmica, por exemplo, permite uma maior variação de alturas e timbres na música, enfatizando a emoção e a tensão. Os instrumentos são mais avançados (ex: advento do piano e criação de vários instrumentos do naipe de metais), aumentando demais a orquestra. A música que vimos desse período é a Sonata Apassionata (tem nas músicas do PAS que eu já postei aqui) de Ludwig van Beethoven, maior expoente da música romântica. A sonata tem esse nome pelo aspecto emocional impresso pelo compositor. O nome Apassionata não foi dado por Beethoven, mas é uma especíe de apelido para a Sonata No. 23 in F minor, Op. 57 (OP é abreviaçção de opus, latim para obra - é uma espécie de registro de cada compositor). Ela tem 4 movimentos e é considerada um marco na história da música.


  • Início da Música Moderna
Com a obra Prélude à lʼapres-Midi dʼun Faune, Claude Debussy inicia uma nova fase da música, quebrando a previsibilidade do sistema tonal renascentista e reinventando o método compositivo. Essa quebra do sistema tonal se deve à ambiguidade harmônica das obras (cromatismo - usa notas de diversos tons); o andamento também sofre alterações, o que não acontecia antes (as obras tinham andamento constante). Debussy é considerado impressionista, o que leva-nos a comparar suas obras com quadros impressionistas (ele era contra essa comparação, pois a música é a arte que se projeta no tempo e a pintura é estática); como impressionista, voltava-se para os sentimentos internos, a imaginação, a inconstância do ser. Ele ficou conhecido também como pioneiro por explorar mais as possibilidades dos instrumentos (improvisação).
O problema da música moderna era encarar a ortodoxia dos ouvintes, que estavam acostumados com a regularidade tonal e rítmica. Daí, saíram duas correntes: os conservadores, que eram contrários aos avanços técnicos, e os radicais, que tocavam em frente o projeto impressionista, expandindo-o o formando outras escolas.

  • Expressionismo
Iniciado com Schoenberg, com a obra Pierrot Lunaine (1912), o expressionismo busca a exteriorização dos sentimentos confusos do ser-humano. A obra dele é uma junção de 21 cantos poéticos (para voz feminina e conjunto de câmara - ou seja, número definido e restrito de músicos/executantes). Foi extremamente criticada, por chocar o público.
Continuando o pioneirismo de Debussy, os expressionistas foram os primeiros a usar um sistema completamente livre da regularidade tonal (são atonais). São exemplos de compositores expressionistas: Arnold Schoenberg, Alban Berg e Anton Webern.

As principais obras expressionistas (pioneiras - não buscavam o belo nem o realismo) são:
  1. Pierrot Lunaine (1912) - Schoenberg - criticado.
  2. Jeux (1912) - Debussy - não obteve muito êxito.
  3. Sagração da Primavera (1913) - Igor Stravinsky - foi extremamente criticado.
  4. Os Planetas (1918) - Gustav Holst - foi um sucesso (pois os 5 anos de diferença já tinham dado tempo para a adaptação do gosto dos ouvintes, além de ter sido depois de um período de tensão - 1ª Guerra).
Holst estudou no melhor conservatório de música da Europa (Royal College of Music), lecionou (foi professor) música e composição; interessado em ocultismo (estudou sânscrito - livros sagrados hindus, misticismo). Sua obra famosa é Os Planetas (compôs entre 1914 e 1918).

  • Sobre Os Planetas:
  1. Combina mitologia romana e astrologia (ex: Marte = planeta e deus romano da guerra).
  2. Busca expressar o caráter particular de cada astro - movimentos com andamentos, melodia e instrumentação contranstantes.
  3. Grande orquestra - maior variação dinâmica.
  4. 7 movimentos ( não tem a Terra, nem Plutão)
  5. Abertura : “Marte: o portador da Guerra“ - caráter bélico, marcial -(ostinato rítmico: repetição da mesma idéia rítmica com intensidades diferentes durante quase todo o movimento)
  6. Estréia em 29/09/1918 - SUCESSO!



Música é isso. Recomendo que ouçam as músicas que vão cair na prova e no PAS


Abraços,
Félix

PS: as outras duas artes posto assim que terminá-las.

11 comentários:

pedro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pedro disse...

UAHAUHAUHAUUAUHAUHAHUHUAUHA... PUTA PARTITURA

Jordanah disse...

OBRIGADA *-*

Anônimo disse...

Félix, a sonata appassionata só tem 3 movimentos (pelo caderno da professora)

Anônimo disse...

ainda vai ter o das outras artes ou nem?

Anônimo disse...

outra coisa do caderno que tá diferente :
adagio é andamento médio

Mateus Félix disse...

adágio é entre lento e médio. E sim, são 3 movimentos, devo ter escapulido nessa hora
hsuahsuahs

obrigado pela correção
abraço!

Camila disse...

Obrigada pelos resumos, Félix! Admiro mt o que vc faz por nós :) Abraço e Boa prova amanhã :**

Anônimo disse...

ahhhhh, tirou a partiturao porque????? XD

Anônimo disse...

*partitura

Anônimo disse...

Schoenberg = Schönberg (mais correto)